20Fev

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL MAPEIA PAINÉIS SOLARES E AJUDA EM POLÍTICAS PÚBLICAS

Em constante expansão, o uso de painéis solares vai de áreas extensas a pequenos telhados de residências e é uma das principais fontes de energia renovável disponíveis atualmente.

No entanto, saber quantos são e onde estão instalados em determinada região era, até agora, uma tarefa complexa.

Para solucionar o problema, pesquisadores da Universidade de Stanford, na Califórnia, recorreram ao uso da inteligência artificial e desenvolveram um sistema capaz de mapear todos os painéis solares visíveis nos Estados Unidos.

Chamado de DeepSolar, o sistema conseguiu detectar os 1,47 milhão de painéis espalhados pelo país. O estudo foi publicado no periódico Joule.

A meta da DeepSolar é permitir a expansão do uso da energia solar e a operação escalonável do sistema de distribuição usando a modelagem dinamicamente dinâmica em tempo real da grade, modelagem preditiva rápida e precisa de uma estrutura de otimização robusta e escalonável.

O projeto visa desenvolver a infraestrutura da rede de internet da Energia do futuro através de modelos precisos baseados em dados da Smart Grid e seus componentes com foco na integração de fontes de energia renováveis.

São usadas as técnicas mais recentes de aprendizado de máquina e análise de dados para desenvolver modelos preditivos precisos de vários recursos de energia distribuída, como geradores de energia solar (painéis solares distribuídos) e componentes de armazenamento distribuído (baterias) e suas interações usando o Smart Grid IoT dados de nossos parceiros de serviços públicos.

Para fazer o mapeamento, o DeepSolar utilizou redes neurais e dividiu imagens captadas por satélites em blocos de pixels, combinando-os para determinar se existem pinéis solares em uma determinada área, sejam grandes fazendas solares ou telhados.

O sistema levou uma semana para realizar toda a tarefa e entregar dados em tempo real, o que poderia demorar muito mais e ter dados desatualizados se fosse feito por abordagens convencionais.

Este tipo de mapeamento é útil a empresas e governos, que podem estar munidos de informação mais precisa para realizar planejamentos e ações na área.

Já é possível fazer algumas inferências a partir dos resultados, como saber as regiões com maior concentração de painéis e melhores condições geográficas para implantação, além de cruzar as informações com dados climáticos e socioeconômicos.

Créditos: Ambiente Energia